Santo GD2

O homem que colocou a cidade de Caxias na história e na eternidade da poesia, das letras e dos símbolos nacionais: o Hino e a Bandeira do Brasil.
Não operou milagres. Não foi necessário.
Sua oração poética é conhecida do jovem ao velho em cada canto do país.
A ele celebramos esse dia de 10 de agosto, o seu aniversário.
Seu nome é Antônio. Nome de santo. O verdadeiro santo que merece veneração dessa cidade.

VIVA ANTÔNIO GONÇALVES DIAS!!!

194 anos de independência

fidie1

Do alto do Morro das Tabocas, postou-se Fidié com seu exército. A ele, juntou-se a população de Caxias que defendia a permanência a Coroa Portuguesa.

Os moradores de Caxias que, por temor ou adesão, prestavam-se a fazer suprimentos que deles exigiam, concorreram para a edificação de uma casa nesse morro, destinada para Quartel e arrecadação da pólvora

O exército libertador, liderado pelo herói José Pereira Filgueiras, entrou em Caxias e no dia 1º de agosto de 1823 prendeu o major português que se encontrava no morro.

Cabe a nós, dedicar a estes heróis brasileiros e ao rebelde português, um monumento a bravura. E não existe outro local que não seja o Morro do Alecrim.

Efígie do poeta Vespasiano Ramos

Obra 04

O artista maranhense Eduardo Sereno já concluiu a escultura em relevo do poeta Joaquim Vespasiano Ramos. A obra ficará exposta na Academia Caxiense de Letras até ser assentada no monumento que será construido com colaboração da sociedade caxiense. A inauguração está marcada para o dia 20 de agosto, domingo, na praça que leva o nome do poeta.

Nota da Associação Amigos do Patrimônio

A Associação ‘Amigos do Patrimônio Caxiense’ tem a intenção de contribuir na preservação, restauração e valorização do patrimônio histórico, artístico, cultural e paisagístico de nossa cidade. Seja promovendo atividades, elaborando estudos, palestras, intervenções artísticas, etc… Feita a primeira reunião, viemos esclarecer que:

1 – O Morro do Alecrim é um sitio histórico, e assim sendo, deve ser protegido de acordo com as normas que regem o patrimônio cultural, onde qualquer temática que fuja de sua história militar, irá descaracteriza-lo.

2 – Somos favoráveis a construção de um santuário em Caxias, pois acreditamos que o turismo religioso irá beneficiar a cidade economicamente, preferencialmente em uma área carente de urbanização.

3 – A obra em andamento no Morro do Alecrim, denominada ‘Mirante’, trata-se da urbanização do seu entorno. Logo, a obra irá trazer de volta um dos pontos mais importantes de nossa cidade, o revitalizando, portanto tem o nosso apoio.

4 – Não existe por parte desta Associação qualquer interesse em embargar a obra em execução, uma vez que o objeto em questão que poderia descaracterizar seu entorno, não está sendo construido.

Estamos abertos ao diálogo para contribuir com o desenvolvimento de Caxias, respeitando o nosso maior interesse, que é a preservação de nossa história e cultura.

Associação Amigos do Patrimônio

ed1

Edital de convocação da criação de uma sociedade civil organizada em prol do patrimônio histórico, artístico e cultural de Caxias, Maranhão.

Será neste sábado, dia 22 de julho do corrente ano, as 16h00.

Local: Auditório do Memorial da Balaiada, praça Duque de Caxias, Morro do Alecrim.

Calçada de Lioz

20170622_095943

Residência de José Ferreira Guimarães Junior, Praça Gonçalves Dias.

Assentada provavelmente ainda no século XIX, período da riqueza da Caxias pré industrial, essa é a única calçada em laje de lioz conhecida em Caxias. O passeio público (calçada) era raro naquele período, se restringido apenas como parte decorativa de uma residência de um rico coronel. O lioz era a mais nobre das pedras para esse fim.

A preservação do patrimônio histórico não se restringe apenas para fins turísticos e/ou decorativo, como erroneamente sempre se deu em Caxias. Faz parte também do planejamento urbano. Do desenvolvimento social, local, comercial. Da reutilização dos espaços públicos e adequação das atuais necessidades.

A destruição não se dá apenas com a demolição. Ela é a última etapa de um processo que diminui nossa história e cultura. Ela vem de várias formas, como uma simples poluição visual ou intervenções de menor impacto, como essa.

Sem conscientização e atuação não conseguiremos ter uma cidade inteligente, eficiente e com qualidade de vida. Precisamos romper esse paradigma.